Foto por: Adriano Vizoni/Folhapress
A médica Rita de Cássia Guimarães, 60 anos de idade e 35 anos de medicina. Rita contraiu Covid-19 e ficou 23 dias entubada e inconsciente

No dia do médico, profissionais relatam montanha-russa com a pandemia de Covid-19

Por: Folhapress - Patrícia Pasquini
18/10/2020 às 16:05
Brasil e Mundo

Levantamento do Sindicato dos Médicos de São Paulo mostra que 265 profissionais morreram em decorrência da doença no país

Aprendizado e medo marcam agora a história dos médicos que atuam o atendimento aos pacientes com Covid-19 e sobreviveram à pandemia. Pelo menos 265 deles, segundo levantamento nacional do Simesp (Sindicato dos Médicos de São Paulo), não poderão contá-la.

Para este dia do médico, celebrado em 18 de outubro, a reportagem conversou com três profissionais de gerações diferentes que reaprenderam a viver ao enfrentarem a pandemia.

"Estamos tentando cicatrizar as feridas”, diz Giovana Mara Manzari Pascoal, 37, que em março deste ano foi convidada a trabalhar em hospitais de campanha em Santos (72 km de SP) e Guarujá (86 km de SP) e no Complexo Hospitalar da Zona Noroeste, em Santos, que destinou um andar aos infectados pelo vírus.

Giovana ainda está em tratamento para um câncer de mama descoberto em 2017, que resultou em mastectomia. Ciente de que sua vida estaria em risco, aceitou a missão de atender pacientes com Covid.

"Quando fiquei doente, troquei o jaleco de médica pelo avental de paciente. Então, eu sabia o que essas pessoas estavam sentindo. A pandemia me fez mais resiliente, passei a acreditar na importância da força de vontade e minha fé ficou mais valorizada. Espero que as pessoas pensem mais no coletivo e não sejam egoístas”, afirma Giovana.

Foram mais de quatro meses intensivos em superação, novas amizades, perdas e aprendizado sobre a nova doença. No período, a médica ficou longe da família. "Vi meus pais em fevereiro e depois somente no dia dos pais. Minha avó paterna morreu no dia das mães e não pude ir ao velório”, conta.

No início, Giovana pensou que a Covid-19 seria um surto semelhante ao do H1N1 e que o vírus entraria na cidade pelo Porto de Santos. A realidade se fez nítida com uma avalanche de histórias de pacientes que imploravam pela vida todos os dias.

"Vi olhos desesperados e angustiantes me pedindo para respirar e olhos brilhando me agradecendo”, lembra.

"Quando começaram os primeiros casos, não conhecíamos a fisiopatologia da doença. Em cada paciente ela se desenvolvia de um jeito. Isso foi assustador. Eu via alguns evoluindo bem, outros mal e não entendia o porquê.”

A médica não se esquece de um rapaz de 32 anos em um dos hospitais de campanha, . "Ele me pedia para respirar. Eu via seu desespero. O dia 16 de maio, quando ele morreu, foi o pior dia da minha vida. Fiquei ao seu lado até partir.”

Giovana começou a estudar enfermagem na Faculdade de Medicina do ABC aos 17 anos. "Quando comecei a trabalhar, vi que estava no lugar certo, mas fazendo a coisa errada”, afirma.

Com esta percepção, aos 29 anos largou a profissão, fez cursinho, prestou vestibular para medicina e foi aprovada na Universidade Metropolitana de Santos. Formou-se em 2019 e está prestando residência em clínica médica.

Além disso, trabalha na UPA Central de Santos como médica visitadora (conduz os casos que aguardam vaga para internação), nas UPAs Zona Leste de Santos e Enseada e no Complexo Hospitalar da Zona Noroeste, em Santos.

Rita de Cássia Guimarães Firmino, 60, também deixou de lado o jaleco e passou a paciente, mas de Covid-19. Diabética e hipertensa, a médica clínica foi contaminada pelo novo coronavírus no início da pandemia.

Os primeiros sintomas foram falta de ar, cansaço e febre baixa. Como havia tomado a vacina contra o vírus Influenza H1N1, associou os sintomas a uma reação vacinal.

"Quando recebi o diagnóstico de Covid-19, pensei em Deus e sabia que nada iria me acontecer porque Deus é tudo na minha vida. Não me preocupei.”.

A tomografia constatou a lesão no pulmão compatível com a causada pela Covid-19. A médica que atendeu Rita prescreveu medicação e recomendou que ficasse em casa. A piora do quadro ocorreu três dias depois. Levada ao hospital, foi constatada a baixa saturação e a equipe decidiu entubá-la.

Foram quase dois meses internada, sendo 25 dias em coma induzido. "Fiquei muito grave. Meus amigos disseram que eu quase vi a luz branca."

O episódio trouxe mudanças em sua vida pessoal, além da necessidade de reaprender a andar. "Eu me tornei uma pessoa mais forte, sensível, com mais discernimento e procuro ajudar mais as pessoas, principalmente as que têm caso de Covid-19 na família”, afirma.

Profissionalmente, segundo ela, a doença permitiu aos médicos estudar mais, e a classe ficou mais unida. "Agora, sentimos aquela afinidade como se fosse de família mesmo, principalmente com a perda de colegas”, afirma Rita.

"Neste dia do médico nós comemoramos a vitória da vida, de poder ajudar a humanidade, de ser abençoado com essa sabedoria. Graças a Deus, estou viva!”

Rita retomou as atividades na AMA 24h Capão Redondo e UBS Integrada Jardim Capela (zona sul), administradas pela prefeitura de São Paulo em parceria com o Cejam (Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim), e hoje conta a sua história aos pacientes.

"Nós, médicos, somos vulneráveis em contato com doenças desde a faculdade. Enfrentamos várias epidemias, de H1N1, malária, meningite. Sou muito grata aos meus colegas que permitiram me recuperar sem sequela”, diz.

"Saio desta situação fortalecida e com a convicção de que preciso manter o meu legado de cuidado", afirma, citando as duas filhas médicas e o filho que estuda medicina.

O mineiro de Varginha Rodrigo Prado, 27 anos e formado há dois, também teve a experiencia da Covid em primeira mão. Apos sentir dor no corpo, coriza, perda de olfato e um incômodo na pele, recebeu o diagnóstico há 45 dias —ele já se recuperou.

A pandemia foi um divisor de águas em sua vida profissional. Médico clínico do pronto-socorro do Hospital Albert Sabin de São Paulo, Rodrigo aumentou os plantões para dar conta dos casos da doença quando alguns colegas deixaram a linha de frente. De cinco saltou para sete na semana.

"A gente faz medicina para melhorar a vida das pessoas. Quando veio a pandemia, começamos a olhar por outro lado. Era impossível ajudar o próximo sem se expor ao vírus", afirma.

Nem a vocação precoce, manifestada na infância e sedimentada ao se formar na Universidade Federal do Cariri, conteve o furacão emocional trazido pela pandemia.

"Lembro de um paciente com mais de 30 anos que chegou com ataque de pânico. Ele comentou que tinha perdido os pais com Covid-19 no espaço de uma semana e depois a avó havia contraído a doença", relata.

​Rodrigo recorreu à terapia para lidar com as situações que encontrou. "Meus dias foram emocionalmente muito pesados", conta.

Ele diz acreditar, porém, que a medicina ficou "mais estudiosa" e a pandemia melhorou a percepção dos profissionais sobre o diagnóstico das doenças.






Anunciar no Portal DLNews

Seu contato é muito importante para nós! Assim que recebemos seus dados cadastrais entraremos em contato o mais rápido possível!