Foto por: Divulgação
Estúdios da Nativa FM em Rio Preto

Patriarca da Constroeste está de olho, agora, na Nativa FM

Por: Maria Elena Covre, Fabrício Carareto e Lucas Israel
09/01/2020 às 19:36
Bastidores

José Faria, que comanda o império do Grupo Faria, gostou da ideia de apostar em emissoras de rádio

Gostou da brincadeira 
José Faria, o patriarca do Grupo Faria, leia-se Constroeste, pegou mesmo gosto por esse negócio de rádio. O megaempresário, que colocou sob o  guarda-chuva de seu império a 40 Graus FM, partiu para cima agora da Nativa FM, do grupo Bandeirantes. 

R$ 10 milhões 
O negócio ainda não foi fechado e pode até não vingar, mas as conversas entre as partes prometem. A coluna apurou que o valor colocado na mesa no momento gira em torno de R$ 10 milhões. Faria mandou uma oferta, os donos da Nativa devolveram com uma contraproposta e o empresário já teria respondido com novo valor. 

#Orgulhoso
O entusiasmo de "seo Zé Faria” com a 40 Graus FM saltou aos olhos dos funcionários do grupo na festa de confraternização de final de ano, em que, pela primeira vez, todos os colaboradores da rádio foram convidados. E a trupe foi o centro das atenções. "Ele não escondia o orgulho da equipe”, contou à coluna um dos presentes. 

Santo e Cia
A emissora de rádio 40 Graus FM foi adquirida pelo megaempresário em 2018, mas ganhou notoriedade em novembro de 2019, quando arrematou o passe de Santo Beluci, pop star das ondas de rádio na região, que fez história na Diário FM, do grupo Diário de Comunicação. Santo levou junto o filho, Sandro Beluci, e uma penca de anunciantes fieis. A grade é preenchida ainda pelo jornalista Marcos Ferreira e pelo diretor Cacá Rossete, outro decano do meio. 

Time grande 
No caso da Nativa FM, uma vez consolidado o negócio, "seo Zé Faria” passaria a jogar na primeira divisão das emissoras de rádio de Rio Preto e região. Se a 40 Graus FM colocou pulga atrás da orelha de muita gente atenta aos passos do controlador da Constroeste, a movimentação atual está fazendo brotar um pulgueiro inteiro. 

Prefeiturável do Novo
O empresário Filipe Marchesoni, de 33 anos, que atua na área de investimentos financeiros, foi aprovado no rigoroso  "vestibular” do Partido Novo como candidato da legenda a prefeito em Rio Preto. 

Amoêdo deu OK
Filipe foi o único dos três empresários da cidade que se submeteram ao processo de avaliação imposto pelo partido a chegar até o final. Os outros dois foram eliminados na segunda fase da avaliação, composta por três etapas: apresentação de currículo, entrevistas técnicas e, por fim, uma sabatina com cinco avaliadores dos diretórios nacional e estadual, entre os quais o presidente do partido, João Amoêdo. A decisão tinha de ser unânime. E foi. 

Peneira fina
A sabatina com Filipe foi na terça-feira (7). O resultado foi comunicado a ele e à coordenação local da legenda nesta quinta-feira (9). Para se ter ideia do rigor do processo, Ribeirão Preto, por exemplo, não poderá lançar candidato porque nenhum dos nomes apresentados prosperou no "vestibular”. Das 21 cidades do Estado de São Paulo que submeteram interessados à avaliação do partido, apenas nove obtiveram sucesso. 

Freio
Casado e com um filho, o empresário mostra que já está com o discurso bem desenhado. "A prefeitura de Rio Preto é freio de mão para a economia da cidade. Precisamos soltar esse freio de mão e deixar as coisas acontecerem”, afirma. Ainda segundo o pré-candidato, "o município merece uma proposta nova e diferente”. 

Vereadores 
O advogado Marcos Feitosa, coordenador regional do Partido Novo, diz que, com um nome habilitado para a disputa pelo Executivo de Rio Preto, o próximo passo, agora, é habilitar nomes para a chapa de vereadores, que também são obrigados a passar pelo processo seletivo. "Temos 22 nomes inscritos e estamos abertos a novas inscrições”, afirmou Feitosa. 

Precisa se pagar 
Como o Novo se recusa a usar recursos públicos para campanha eleitoral, todos os aspirantes a candidatos, independentemente do cargo, precisam provar que têm onde levantar dinheiro para bancar sua candidatura. 

Cumpriu as metas 
O aval do partido ao nome de Filipe Marchesoni como candidato a prefeito libera a coordenação regional também a efetivar o diretório municipal, que teve de provar capacidade de se sustentar. Para isso, o grupo precisou atingir as metas exigidas, entre às quais 150 filiados que contribuem mensalmente com R$ 29,81 cada, além de um caixa de R$ 60 mil como uma espécie de "capital de giro”. 

Dinheirinho 
A Transbrasiliana, concessionária da BR-153, repassou R$ 5,9 milhões a 22 municípios que margeiam o trecho paulista da rodovia federal em 2019. O recurso é referente ao Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN). 

Terceira 
Rio Preto foi a terceira cidade no ranking de principais beneficiárias, tendo recebido R$ 533 mil. No topo do ranking, Promissão levou o maior valor, correspondente a R$ 590 mil. Em segundo lugar ficou Marília, com R$ 560 mil.  

Também receberam
A lista completa de beneficiárias inclui, pela ordem de valor,  Ocauçu (R$ 453 mil), Nova Granada (R$ 403 mil), Ubarana (R$ 395 mil), José Bonifácio (R$ 332 mil), Getulina (R$ 304 mil), Lins (R$ 267 mil), Ribeirão do Sul (R$ 256 mil), Campos Novos Paulistas (R$ 237 mil), Bady Bassitt (R$ 189 mil), Jaci (R$ 187), Onda Verde (R$ 183 mil), Guaimbê (R$ 175 mil), Guaiçara (R$ 175 mil), Salto Grande (R$ 171 mil), Icém (R$ 168 mil), São Pedro do Turvo (R$ 152 mil), Ourinhos (R$ 123 mil), Mirassol (R$ 93 mil) e Vera Cruz (R$ 9 mil). 
 
Obrigatório  
A base de cálculo para os repasses leva em consideração a área de fronteira entre os municípios e a rodovia. O pagamento do imposto é obrigatório para todas as rodovias pedagiadas, independentemente do local onde estejam construídos. 

De confiança 
A Prefeitura de Rio Preto concedeu afastamento para a servidora Eliane Beraldo Abreu de Souza. A  agente administrativa do município  foi chamada para assumir cargo em comissão na Prefeitura de Olímpia, onde vai assessorar uma persona política bem conhecida dos rio-pretenses: Mary Brito, ex-secretária da Fazenda da gestão Valdomiro Lopes (PSB), atual secretária de Administração na cidade da região.  

Caiu
A produção industrial no Brasil recuou 1,2% em novembro em comparação a outubro, quebrando a sequência de altas dos três meses anteriores. É o pior novembro desde 2015, quando a indústria caiu 1,9%, de acordo com a Pesquisa Industrial Mensal, divulgada hoje (09/01) pelo IBGE. De janeiro a novembro, o índice acumulou queda de 1,1%; em 12 meses, recuou 1,3%.






Anunciar no Portal DLNews

Seu contato é muito importante para nós! Assim que recebemos seus dados cadastrais entraremos em contato o mais rápido possível!